http://only-girl-none-hope.tumblr.com/post/82682743586/ierowhat-18-20-pictures-of-frank-iero

    ierowhat:

    [18/20] pictures of Frank Iero.


    http://only-girl-none-hope.tumblr.com/post/82470504292/kristynichole-nighty-night-sleep-tight

    kristynichole:

    NIghty night.
    Sleep tight.
    Don’t let the bed bugs bite.

    Don’t die either.


    Por que eu escolhi a faculdade de psicologia?

    Eu tenho apenas 18 anos, vou começar a faculdade este ano. Escolhi uma carreira que tem a ver comigo, na verdade, escolhi uma carreira sobre algo que faz parte da minha vida.

    Desde muito pequena quase não tive a presença dos meus pais em casa, fui praticamente criada pelos meus avós superprotetores, era uma criança meio sozinha, na escola então…
    Mas por incrível que pareça, sempre que as pessoas me abordavam e perguntavam como eu estava eu dizia estar ótima e abria um sorriso enorme, tinha esperança que o dia seguinte seria um dia melhor.

    Mas toda esperança uma hora vai embora…

    Meu pai, policial militar, tem sequelas da carreira na policia, mas tudo começou em uma operação onde ele quase foi metralhado, porém, acabou levando seis tiros, uma das balas permanece alojada em sua coluna, depois disso ele começou a ter picos de humor imprevisíveis e às vezes por coisas bobas e com o mínimo de importância, isso recaiu sobre a casa e todos os presentes.

    Após isso, minha mãe caiu em uma depressão muito profunda, eu nunca soube exatamente o porquê, porem me lembro de vê-la tomando remédios muito fortes e em grande quantidade, parecia estar sempre dopada, com olhos de ressaca e se trancava num quarto pra chorar. Até hoje ela não descobriu que eu a ouvia, não sei se devo contar a ela, é algo pessoal…

    Eu fiz amigos nesse meio tempo,  o primeiro foi o Alan, que eu chamo carinhosamente de Benhe e Clyde, era um menino gordinho e desengonçado, sozinho… Eu era dele sabe, e ele era meu, tirávamos a força um do outro.
    Aí veio a Andresa (Shizu, Cherry). Linda, loirinha, pequena e…  afogada em uma depressão constante, não tinha auto estima, não se achava boa o suficiente, ainda não acha…
    A Jéssica (ela vai me matar quando ver que escrevi o nome dela aqui), é meio que a exceção do grupo, ela é felicidade constante, parece que nada abala ela, sempre me deu ótimos conselhos, me ajudou com sérios problemas, principalmente o cutting…

    Eu sempre compreendi o cutting como uma doença irônica, não estou tirando sarro, mas é realmente assim que ele é. Você tem a autoestima baixa, não consegue se olhar no espelho, as pessoas te dizem que você não é bonita, aí você pega alguma coisa afiada e se machuca inteira, em alguns casos, cortam até o rosto… A pessoa acaba ficando ainda mais feia do que ela já achava que era e isso vira um circulo vicioso. Mas calma, estou falando de pessoas que realmente tem cutting, não de babacas que se cortam pra tirar fotos. Com o tratamento, fui conseguindo controlar a doença, mas as vezes tenho uns picos de vontade…

    E eu conheci um cara. Alto, tatuado e com olhos verde-amarelados, plugs enormes nas orelhas e um piercing no septo que eu adoro puxar. Ele sofre de distimia, tem problemas em casa, é meio estressado… Não gosta muito de médicos e diz que não está doente, mas o acompanho nas idas ao psiquiatra e tento ajuda-lo, tenho que ajuda-lo, afinal, eu o amo demais e faço qualquer coisa pra ele ficar bem.

    Todo mundo tem algum tipo de problema, uns muito graves, outros quase imperceptíveis, mas tem. É algo inevitável, algo que está a minha volta, existem milhares de Eu’s por aí, eu só queria poder fazer a minha parte e ajudar todas elas…


    clashing-plaids:

    Someone take photoshop away from me


    Sou essa alma inacabada a construir…

    Se leu o titulo e pensou ser uma musica da fresno, o seu lugar não é aqui. Mas se estiver disposto a ler o que tenho a dizer, pode sentar, aceita um café?
    Eu criei essa página a mais ou menos dois anos atrás, ela é como uma parte de mim manifestada, e eu a comecei por um motivo, pelo qual (infelizmente) eu volto a escrever.
    Sempre fui meio torta e nunca medi meus pensamentos e palavras, sempre fui uma explosão seja pelo que fosse… Eu poderia ser uma chuva de confetes ou uma supernova, depende do ponto de vista. Tenho poucos amigos, mas sou meio acostumada a conhecer pessoas, conversar como se nos conhecêssemos a anos e nunca mais vê-las na vida. Mas a questão é: tudo em que toco vira pedra…
    Não consigo lidar com isso até hoje, eu sempre acabo magoando as pessoas, seja com palavras ou ações, ou até a minha forma de pensar… Eu sempre fui a mesma, mas ainda sim tentando melhorar a cada dia, seja física, mental ou emocionalmente, sendo que eu não sei se não consigo mudar ou as pessoas não percebem.
    Mas no fundo eu só queria ser boa pra ele, parar de fazer ele sofrer e ir dormir chorando todas as noites, fazer com que ele não queira que eu vá embora…
    Não vou mentir, tem sido uma luta diária contra eu mesma, machuca as vezes até tirar meio que uma parte de quem você é, mas é um mal necessário.
    Todos querem evoluir, mas o maior problema é que apenas você pode fazer isso por si…